segunda-feira, 22 de outubro de 2007

A VIOLÊNCIA E A ALIMENTAÇÃO



Há uns tempos atrás perguntaram-me o que é que eu pensava sobre a violência no Mundo, em particular em França quando milhares de jovens incendiaram carros, partiram montras, etc., e também noutros paises da Europa onde o rastilho pegou fogo na altura por simpatia e tantos jovens manifestaram nas ruas a sua raiva, extravasando de modo violento as suas idéias e convicções pessoais exigindo direitos por esse modo.

Infelizmente só nos apercebemos do problema da violência quando as coisas atingem proporções preocupantes e se tornam noticia nos órgãos de comunicação social com bens e pessoas atingidas.

Quais os verdadeiros motivos afinal dos comportamentos violentos na Sociedade onde vivemos, cada vez mais dividida por profundas diferenças e desigualdades sociais?

Talvez o problema seja muito mais profundo do que as razões que todos apresentam para explicar a violência no Mundo que normalmente julgam estar ligada apenas a questões políticas, económicas, étnicas, religiosas, ou outras, mas estou certo que tudo melhoraria bastante se os seres humanos passassem a ter uma alimentação mais sã e verdadeira, de acordo com a sua humana condição, sem carnes e bebidas alcoólicas, pois isso tornaria as pessoas melhores, mais pacíficas e felizes e decerto traria grandes benefícios para toda a Civilização. De resto, Albert Einstein dizia isso mesmo do seguinte modo: «A maneira vegetariana de viver, por seu efeito puramente físico no temperamento humano, exerceria uma influência benéfica sobre toda a Humanidade»... E Tolstoi, o grande escritor russo, dizia também que: “se toda a Humanidade fosse vegetariana eram impossíveis as guerras”. Subscrevo tudo isto completamente, pois na verdade a violência está intimamente associada a uma degenerada forma de alimentação dos seres humanos que teriam melhores comportamentos e discernimentos se não houvesse tantos erros e desregramentos. "Diz-me o que comes e dir-te-ei quem és", dizem os mais entendidos no assunto que conhecem a pessoa humana da cabeça até aos pés.




Para corroborar melhor esta minha questão, refiro que nos anos 80 foi feita uma experiência numa cadeia de alta segurança nos EUA (em Alameda - Califórnia) onde se encontravam os indivíduos mais perigosos e violentos, a chamada “nata do crime”, que tinham sido condenados a muitos anos de prisão e alguns a prisão perpétua.

Nessa experiência feita pelo Institute of Biosocial Research, com o apoio da Comissão para Controle do Crime e Prevenção da Violência, foi suprimida completamente a carne da alimentação e bebidas alcoólicas, passando a ser-lhes fornecida comida vegetariana ou macrobiótica á base de cereais integrais, legumes e leguminosas, vegetais e frutos.

De início a reacção foi geral e exigiam todos a alimentação normal, porém como não lhes era dado mais nada, passaram a comer o que lhes era fornecido e foram-se habituando. Ao fim de algumas semanas os resultados foram surpreendentes dentro da cadeia, tendo mesmo decrescido cenas de violência que eram quase diárias entre grupos de presos. Passaram e ser mais receptivos, mais comunicativos, mais tolerantes uns com os outros, a revelar mais controle de emoções e de impulsividade.

Houve mesmo o caso de um preso (Marc Hanner) que ficou completamente curado de seu cancro nos intestinos e muitos quiseram continuar a praticar a alimentação macrobiótica, seguindo uma nova filosofia de vida na prisão até ao fim da pena, tendo melhores comportamentos e discernimentos. Houve, pois, uma comprovação científica de que a alimentação carnívora gera comportamentos violentos nos indivíduos mais predispostos a isso, e que a violência humana poderia ser controlada na Sociedade se desde o princípio houvesse uma Educação Alimentar em que não se consumisse tantos cadáveres de animais e bebidas alcoólicas nocivos à condição humana (física, psíquica mental e espiritualmente), porquanto o homem não é nenhum carnívoro e degenerou há muito de sua verdadeira condição, pagando caro hoje por tudo isso na forma de guerras, doenças, violência, degradação nesta sua forma de civilização.

Há pois que mudar tudo isto, começando pela própria alimentação.

Pausa para reflexão!

Rui Palmela

7 comentários:

  1. Salve Rui,

    Apreciei bastante o teu texto sobre violência e alimentação. Vou postá-lo, se você o permitir, numa página que tenho com alguns amigos, onde discutimos as obras do Jiddu Krishnamurti, "filósofo indiano", sobre a questão do auto-conhecimento. Caso não se oponha, favor enviar-me um email, marcion9@yahoo.com.br.

    Um grande abraço,

    Márcio.

    ResponderEliminar
  2. Aquieta-te ego,e sabei que sou Deus ( puro Self) que dentro de ti tem torrentes inesgotaveis de consolo.Se te enervas e se estás irrequieto no teu dia a dia então pergunta ao teu ego, fala com ele , tenta percêbe -lo. Entenderas que nada do que ele te disser tem verdadeiras razoes, pois esse ego é uma ilusão indomável.
    Perguntai a teu ego se existes, e dir-te-a que só existes num corpo fisico.Ele é esse corpo que um dia se vão numa só pessoa. Pergunta-lhe também se és feliz e ele te dirá que a feliciadde é uma utopia.
    A violencia no mundo tem um sujeito: o teu ego. A capa mortal que encobre a tua essência, aquilo que te faz dizer coisas que tu nunca quiseste dizer, que te faz praticar actos tresloucados, que te faz erguer a espada para matares teu pai e teus filhos. Culpa-o a ele o mal dos mundos e o mundos onde estão todos os males.
    Se te libertares dele redu-lo a zero, a um fumo que se dissipa sem deixar trilho.
    Nesta Era de grandiosos desafios ,o maior de todos não está na socidade mas no teu proprio Ego. Transportas em ti todas as formas de desgraças sem disso te dares conta, porque te identificaste com esse Ego e com esse corpo. Corporizaste o teu Ego e tornaste egoista esse teu corpo. Duas entidades trocadas mas sempre diabolizadas .

    ResponderEliminar
  3. se a humanidade não comesse carne acabam-se as guerras , tudo seria pacifico , os estados unidos não invadiam o Iraque e os tiroteios da quinta da fonte não existiam, concordo consigo plenamente. Parabéns pela sua dissertação anti carnívora , vou deixar de comer carne para ver se não caio na tentação de espancar o meu vizinho que insistentemente me desvia a água quando rego o milho.

    ResponderEliminar
  4. Entendo sua ironia, caro "Anónimo", mas apesar de você não acreditar, o mundo estaria bem melhor se os seres humanos não se tornassem carnívoros e vivessem mais de acordo com a sua verdadeira condição.

    A mentalidade seria outra, os comportamentos seriam melhores e haveria uma compreensão mais profunda da vida que naturalmente seria mais longeva e pacifica e não haveria tanto derramamento de sangue e violência no seio da Civilização.

    Está provado cientificamente que isto é verdade e só não entende quem não quer entender e tem interesses egoistas pouco se importando com o resultado final do que fazemos neste Mundo contra a vida de milhões de seres da Criação. Mas, como nada acontece por acaso, o homem colhe o que semeia e sofre o reflexo de sua própria degeneração.

    Pausa para reflexão!

    RP

    ResponderEliminar
  5. será que a malvadez do meu vizinho que me desvia a água quando rego o milho provém do seu consumo abusivo de carne?
    pausa e reflexão porque eu tenho o direito de regar o milho sem interrupções.

    ResponderEliminar
  6. Sim, caro Anónimo, creio que a falta de entendimento e de compreensão de ambos resulta do consumo excessivo de cadáveres de animais que faz as pessoas se comportarem como seres irracionais.

    A tudo isso se juntam outras coisas como a falta de civismo e de cultura da população pela má educação que infelizmente não é a melhor no nosso país, a começar pelos politicos que também consomem muita carne e bebem "bebida forte" que altera os raciocínios responsáveis pela má governação.

    Pense nisto, e...

    Pausa para reflexão!

    RP

    ResponderEliminar
  7. Gosto muito dos artigos de seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online.Emily Nascimento

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails