domingo, 11 de maio de 2008

A PEREGRINAÇÃO A FÁTIMA


Milhares de peregrinos se dirigem todos os anos para Fátima, vindos dos mais diversos pontos do país. Ali vão em busca de algo que lhes console a alma ou cure seus males do corpo físico, cumprindo promessas feitas nalgum momento de suas vidas, esperando o ‘milagre’ desejado, ou simplesmente agradecendo alguma graça recebida nesta forma de devoção.

Percorrem assim centenas de kilómetros até ao lugar sagrado onde são acendidas depois milhares de velas de todos os tamanhos num local destinado para esse fim, cujo cheiro a cera derretida sobe no ar. Enquanto isso, centenas de joelhos se arrastam pelo chão (muitos deles ensanguentados), tudo em nome da ‘fé’ pela “Nossa Senhora” que não precisa decerto deste tipo de adoração ou manifestação religiosa das pessoas que deviam mudar sim o que é essencial nas suas vidas no dia a dia, continuando sempre iguais neste mundo onde vivem na ignorância e não encontram paz nem harmonia.

Por outro lado, é o negócio da Religião que prospera no Santuário de Fátima (o chamado “Altar do Mundo) que rende milhões todos os anos (em dinheiro ou valores) e o mesmo se verifica em seu redor onde milhares de imagens ou estatuetas de todos os tamanhos e feitios da “Virgem Maria,” dos “pastorinhos” ou outros “santinhos”, satisfazem os desejos daqueles que querem levar para casa uma recordação do local onde vão em Peregrinação. Creio que Jesus voltaria a chamar de “vendilhões do Templo” aos responsáveis do Clero Romano que domina toda esta situação e quiçá voltaria a ser maltratado ou ‘crucificado’ por causa disso, pelos mesmos que no passado o penduraram no madeiro e vivem hoje bem instalados à sombra da Religião.

De resto, a “Senhora Luminosa” que apareceu às crianças no dia 13 de Maio de 1917 na gruta da Cova da Iria para lhes incumbir de uma certa missão, não surgiu a nenhum alto dignitário da Igreja Católica Romana ou outra por alguma razão... Aliás, as crianças até foram acusadas de “amotinadoras” quando contaram ao povo o que tinha acontecido para grande incómodo dos responsáveis da ´Fé’ cristã na altura que hoje voltariam a sentir-se incomodados e reagiriam do mesmo modo se alguém aparecesse a dizer coisas contrárias ás suas teses religiosas, mesmo que inspirados pelo Espírito da Verdade.

Entretanto a fé dos milhares de peregrinos que se deslocam hoje em dia àquele lugar é de respeitar e considerar pelos mais variados motivos, pois não é em vão que decidem fazer tão grande sacrifício até Fátima, caminhando centenas de kilómetros até os pés ficarem cansados ou ensanguentados, enquanto outros vão sendo levados na corrente e ficam beneficiados nem que seja pelo exercício físico para perderem alguns kilinhos acumulados durante o ano devido aos excessos da alimentação. Porém, a grande maioria será apenas no cumprimento de uma tradição... Mas eu digo que nada adianta peregrinarem milhares de kilómetros a vida inteira para locais sagrados ou outros se não encontrarem o verdadeiro Caminho no seu interior.

Enfim, sou crente em Deus, o Criador da Vida do Universo, e creio nas palavras dos Profetas e na Mensagem de Jesus Cristo, tal como creio na Mensagem aos pastorinhos que a “Senhora Luminosa” pretendia que Lúcia divulgasse ao Mundo, mas infelizmente foi impedida de fazê-lo pela própria Religião que a aprisionou desde menina, encerrando-a num Convento durante a vida inteira até falecer no dia 13 de Fevereiro de 2005 com 98 anos de idade. Creio que a Igreja será responsabilizada neste tempo de “Juizo Final”, por mais que se justifique e manipule a crença ou fé das pessoas que nada sabem do que aconteceu verdadeiramente no dia 13 de Maio de 1917 e é mister que nada tem a ver com a Igreja nem com o seu Poder Temporal no século actual.

Entretanto, continuam as Peregrinações e as Procissões e se fazem repetidas orações, continuando o mundo na mesma porque as pessoas vão fazendo as mesmas coisas e nada mudam no seu dia a dia, agravando-se sim os “tempos difíceis” profetizados e poucos são os que estão preparados. Estou mesmo convicto que muitos dos que caminham até Fátima, vão continuar a ser as mesmas pessoas, a fazer as mesmas coisas erradas, colhendo em suas vidas o reflexo dos seus desmandos ou desregramentos, sendo isso a causa directa de tantos males e sofrimentos. Esta é a verdade!

Por isso, penso que está na hora de acordar ou agitar as consciências e dizer que a “Senhora de Fátima” está contristada com o que observa na Humanidade e sabe que muita gente vai sofrer por tantas formas de Degradação e que o homem está se auto-destruindo com esta forma de Civilização, não respeitando mais as leis da Vida, da Natureza, da Ordem do Universo, comportando-se na Terra como a pior espécie dos seres vivos que degenerou há muito da sua condição.

Penso que a Mensagam de Fátima há 90 anos pretendia alterar tudo isso...

Pausa para reflexão!

Rui Palmela

17 comentários:

  1. Alvaro de Jesus14 maio, 2008

    O nosso Irmão Rui Palmela, é um estudioso da Vida Espiritual, bem sabendo o que aconteceu em 13 de Maio de 1917, na Cova de Iria, Fátima, perante 3 inocentes Crianças, que guardavam suas ovelhas.

    Efectivamente, a FÉ de cada um não se mede, nem nunca se medirá aos palmos... mas...

    Numa ida nossa aquele Recinto Sagrado, num 13 de Maio, vimos, após a chamada 'procissão do adeus'... atitudes menos fraternais, indignas de quem 'cumpriu' sua promessa, de joelhos ou de rastos... naquele recinto.

    Nossa Dulcíssima Mãe Maria, de Seu Plano Divino... ontem como hoje... apenas deseja VER, em nosso PENSAMENTO, por nossa Maioridade, a verdadeira SINTONIA com o AMOR, com a VERDADE, com a JUSTIÇA e com a PAZ, que nos chegam de DEUS PAI, se, para tanto, de nossa parte, soubermos Ser Seus Filhos...

    Não nos cumpre julgar... apenas lamentar o que ainda vemos... por Fátima!...

    Nós, quando lá vamos... sentimos bem o que lá EXISTE!...

    Então, aí, nesses momentos... de olhos fechados... entramos nessa Sintonia... deixando-nos levar por ondas de Amor e Paz... que nos iluminam e dão mais Vida!

    A DEUS chegamos pelo pensamento... e, sendo DEUS, PAI de AMOR... ad infinitum... necessaria e absolutamente, não nos quer ver de rastos nem de joelhos, mas sim de PÉ... bem ELEVADOS...

    O resto... é ou será, ainda... para latismar...

    Um dia, porém... todos serão mais LUZ!...

    ResponderEliminar
  2. Boa noite,

    Para mim, a fé é uma droga, e ainda mais, violenta, é o caso das peregrinações a Fátima que são efectivamente de uma violência fisica tremenda,

    Cumprimentos,
    Rui

    ResponderEliminar
  3. Rui Palmela15 maio, 2008

    Caro amigo,

    Não concordo que a Fé seja uma droga, e muito menos que seja violenta, pois sou um homem de fé e me considero um homem pacífico.

    Droga é o Tabaco, o alcool, o haxixe, a cocaina, a heroina, o extasi, etc, coisas que infelizmente estão matando a nossa juventude e tanta gente má lucra com isso, pois lhes tiram a FÉ em Deus e lhes oferecem ilusões pela 'crise do vazio'. Certo?

    Agora, o que não concordo é a forma como a Igreja Católica explora ainda hoje os acontecimentos de Fátima de 1917, quando na altura até rejeitou e nem acreditou naquilo que as crianças viram, tendo aproveitado depois o fenómeno da Aparição para tirar dividendos para a própria Religião, inclusive impedindo Lúcia de cumprir tudo o que lhe fora instruido pela Entidade a quem fazem hoje tanta adoração.

    A verdade é que fizeram prisioneira uma criança contra a sua vontade num Convento, desde menina, para que não tivesse contacto com ninguém e a mantiveram assim até ao fim de sua vida, tendo ela acabado seus dias de "prisão perpétua", já velhinha, com 98 anos de idade.

    Este é o lado real das coisas em relação às crianças de Fátima e pouca gente pensa nisto. Agora, qual o porquê da Igreja Católica Romana ter feito isso a uma criança, tornando-a uma mártir, apenas porque ela teria falado de um "Segredo" que era para ser revelado ao mundo e nunca foi?

    De resto, o mesmo já tinha acontecido com outras crianças em 1846 e 1858, em La Sallete (nos Alpes) e em Lourdes (nos Pirinéus) que tiveram o mesmo tipo de experiências e sofreram o mesmo tipo de rejeição pela própria Religião. Anos depois a mesma explora a situação naqueles locais, tal como faz em Fátima.

    Enfim, pessoalmente entendo o que se terá passado naquele local, e o facto de muitos acreditarem ou não isso é irrelevante e nada altera face aos tempos que vivemos e os acontecimentos que foram previstos pela Entidade a quem chamam hoje de "Nossa Senhora de Fátima", que não brincou em serviço, tal com digo noutro artigo.

    Cumprimentos,

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  4. Caro Rui Palmela,

    Relativamente às citações que inclui como pertencentes à mensagem de Fátima, muito agradeceria se pudesse incluir referências que as enquadrassem num texto real subscrito pela Irmã Lúcia.

    Se qualquer pessoa se der ao trabalho de efectuar uma pesquisa na net sob a chave "mensagem de fatima", encontra facilmente textos interpretativos e reproduções das cartas escritas pela Irmã Lúcia. Rapidamente verificará que os parágrafos incluidos nas suas mensagens se tratam de distorções de intenção duvidosa.

    Aconselho por isso, a quem quiser elucidar-se um pouco mais sobre o tema, a visitar o site: http://www.cesnur.org/testi/fatima/pt.htm

    Cumprimentos,
    Camilo

    ResponderEliminar
  5. Viva Rui Palmela

    Boa tarde

    Sou uma pessoa simples, de opinião simples a ao mesmo tempo tanbém já não sou mais inocente; Acredito no amor e na compreensão, quando me referia a droga, para além daquelas que enumerou, referia ainda mais o alcool, o café ... até o próprio ar que respiro, lamento, mas reconheço. A respeito da fé, referia-me ao facto da dependência psiquica que causa no intelecto humano, da ilusão, e a prova da sua violência está nas suas proprias causas como no tratamento que deu ás crianças que refere...
    Por isso, acho que devemos tomar o que a vida nos dá sem complexos ou preconceitos na sua devida medida ou proporção evitando sempre as dependências.

    Cumprimentos
    Rui

    ResponderEliminar
  6. Rui Palmela16 maio, 2008

    Caros amigos Camilo e Rui:


    Começo por dizer que é útil e positivo qualquer discussão sobre assuntos que nos ajudem a situar cada vz mais mais próximos da verdade e esta não é exclusiva de ninguém, nem de nenhuma Religião. Nisto penso que estamos de acordo!

    Quanto à Mensagem de Fátima, digo ao amigo Camilo que aquilo que está publicado é aquilo que a Religião Católica quis que se publicasse e não aquilo que a Mensageira Divina transmitiu a Lúcia para que o mundo soubesse. Certo? Não sejamos ingénuos, pois afinal toda a gente esperava que fosse outra coisa quando o Papa João Paulo II 'revelou' o "3º segredo" no ano 2000.

    Doutro modo não seria esse o 'Segredo' que levou o Papa Paulo VI a sentir-se mal e a desmaiar quando tomou conhecimento da Mensagem pela 1ª vez no ano de 1967, facto que levou o Cardeal Fernando Cento a renunciar seu cargo de grande penitenciário na mesma altura, alegando motivos de idade. Tudo isto chegou a ser referido na "A Gazeta" de S.Paulo no dia 17 de Abril do mesmo ano.

    Mas, já que me pede referências daquilo que escrevo acusando-me mesmo de estar a distorcer as coisas com intençõeses duvidosas, pois muito bem, aconselho uma leitura ao livro de "O Juizo Final" de Roselis Von Sass - 5ª Edição, com Prefádio de A ORDEM DO GRAAL NA TERRA, que a Igreja pode não dar qualquer crédito mas seria bom que as pessoas cristãs e não cristãs lessem com espírito de isenção como eu faço, pois não tenho minha mente limitada aos dogmas religiosos ou ditames da Religão de Roma.

    Penso agora que satisfiz um pouco mais as suas dúvidas, caro amigo Camilo.

    Agora me dirigo ao amigo Rui, dizendo que a questão da "dependência psíquica" na Religião, é semelhante a qualquer outra dependência psíquica pela moda, telenovelas, politica, futebol, etc. Entendo porém o que vc pretende dizer amigo Rui, pois há religiões que dão autênticas "lavagens" ao cérebro nos seres humanos, fazendo-os ficar dependentes de suas directrizes, ameaçando-os com o Inferno ou com os castigos eternos como se falassem em nome de Deus. Mas esses, caro amigo, são aqueles a quem Jesus vedava a porta dos céus no seu tempo, dizendo "Ai de vós que não entrais nem deixais entrar os que já iam entrando"... pois induzem no erro milhões de almas que se deixam conduzir pelas suas próprias convicções, guerreando-se entre si, todas dizendo que são verdadeiras, dividindo as multidões.

    Não é por aí que eu vou, meu amigo, por isso pessoalmente não tenho nenhuma religião mas sou um homem de fé, um crente em Deus que se orienta pela luz do Conhecimento que possuo e pelo que sinto no coração. Aliás, tenho por hábito dizer que "Deus não sonda Religiões, mas sim corações"... e essa é a minha humilde convicção.

    Pausa para reflexão!

    Um abraço para ambos

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde Rui,

    Antes de mais quero dizer-lhe que não vou entrar aqui em polémicas religiosas consigo, nem com qualquer outra pessoa. Cada um tem o direito de acreditar no que quiser e não serei eu a tentar impor as minhas crenças a ninguém... Além do mais o tempo não mo permite, pois estas polémicas são sempre muito demoradas.

    Simplesmente choca-me a forma como escreve acerca das atrocidades da igreja católica romana, algumas das quais já amplamente reconhecidas pela mesma, relembrando algumas como se se passassem nos tempos actuais.
    Julgo que todos sabemos das atrocidades e das certezas que a inquisição fez impôr, das pessoas inocentes que queimou na fogueira, etc. Será mesmo de afirmar que Hitler teria dado um valente "Papa" nesses tempos.
    A história da Igreja tem tantos aspectos soturnos que, só por si, me parece incrível que tenha sobrevivido através dos séculos....

    Por outro lado, queria comentar-lhe as informações que me passou. No fim de semana, tive oportunidade de fazer uma pequena pesquisa acerca da autora que indicou, encontrando apenas uma panóplia de publicações esotéricas de sua autoria. Pergunto-me porque será que acredita tanto assim numa autora (aparentemente) solitária nas teorias que escreve? Não lhe parece que se Lúcia tivesse uma missão de passar uma mensagem divina, não poderia nunca haver uma alma humana capaz de interceptar e distorcer ou eliminar essa mensagem.
    Imagino que Lúcia nunca ficaria calada durante quase 90 anos (tendo em conta que não lhe cortaram a lingua). Arranjaria sempre uma forma de passar a mensagem....

    Assim o que lhe digo, é que me parece estranho que você acredite tanto nas teorias de Roselis Von Sass (cuja biografia parece difícil de encontrar) e tão pouco numa Igreja tão Secular como é a Igreja Católica. Eu, pela minha parte, não fico nada convencido.... Convencem-me mais, sem dúvida, os manuscritos e as descrições contidas no site que lhe indiquei.

    Um abraço,
    Camilo

    ResponderEliminar
  8. Rui Palmela20 maio, 2008

    Caro amigo Camilo:

    Sou um livre pensador que escreve há muitos anos sobre os mais diversos assuntos e não me limito aos raciocínios deste ou daquele autor nem ás interpretações desta ou daquela Religião, apesar de eu ser um crente em Deus e na Mensagem de Jesus Cristo, como de resto de outros Mestres e Profetas da Humanidade que nos transmitiram seus conhecimentos para que encontremos a verdade. É isso que faço!

    Por isso leio e analiso tudo com espírito de isenção, ultrapassando muitos conceitos e preconceitos das Instituições seculares do Poder, sendo a Igreja Católica Romana uma delas que tem dado sobejas provas de tanto errar e pecar ao longo dos tempos de que mais tarde se vem arrepender ou reconhecer pedindo desculpas ou perdão. Tenho pois a esperança que um dia faça o mesmo em relação aos acontecimentos de Fátima quando a verdade vier ao de cima. Certo?

    Já agora aproveito para dizer que o Vaticano admitiu pela 1ª vez (coisa impensável há uns séculos atrás) a possibilidade de existir vida alienígena noutros Planetas com seres mais evoluidos ou avançados do que nós. Isto vai mudar as mentalidades e muitos começarão a pensar que afinal o que escrevo sobre o assunto posso ter razão...

    Leia aqui um pouco sobre o assunto:
    http://www.novaera-alvorecer.net/vaticano_e_alienigenas.htm

    Enfim, caro amigo, O TEMPO É O MELHOR MESTRE, e eu sou apenas um seu discípulo.

    Cordeais cumprimentos de

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  9. Pego num termo que suscita a minha mente " fé é uma droga ".
    Com isto pretende-se dizer que uma atitude religiosa vicia e torna dependente o crente.MAs a consequencia principal desta dependencia é saber se é salutar à vida do crente.
    No plano espiritual se não existir devoção e crença profunda a mente simplesmente cai no caos e na dúvida. É imprescindivel acreditar para que as coisas aconteçam, senão os milagres têm de ser deliberadamente despoletados pelos mestres da vida interior para conversão dos incrédulos. Ora, aqueles que nasceram despertos para a vida interior não precisam de provas porquanto a sua fé é mais do que suficiente para eles.
    Quem precisa de provas são esses incrédulos.
    Fé e crença não significa dependência, e muito menos dependência patologia como acontece com os estupefacientes. Os maiores feitos da historia são possiveis graças às profundas convicções de seus protagonistas, em cada biografia humana de homens que impressionaram existe a atitude de profunda convicção, eles acreditavam mesmo que à sua volta houvesse o ridiculo e a humilhação.
    A natureza da mente humana faz algo acontecer a partir da crença e da fe ( termos que deveriam ser sinónimos ) e a realidade espritual não é excepção a este principio da mente.

    ResponderEliminar
  10. Salmos 115
    1 Não a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade.
    2 Porque dirão os gentios: Onde está o seu Deus?
    3 Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou.
    4 Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens.
    5 Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem.
    6 Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram.
    7 Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta.
    8 A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam.
    9 ¶ Israel, confia no SENHOR; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
    10 Casa de Arão, confia no SENHOR; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
    11 Vós, os que temeis ao SENHOR, confiai no SENHOR; ele é o seu auxílio e o seu escudo.
    12 O SENHOR se lembrou de nós; ele nos abençoará; abençoará a casa de Israel; abençoará a casa de Arão.
    13 Abençoará os que temem ao SENHOR, tanto pequenos como grandes.
    14 O SENHOR vos aumentará cada vez mais, a vós e a vossos filhos.
    15 Sois benditos do SENHOR, que fez os céus e a terra.
    16 Os céus são os céus do SENHOR; mas a terra a deu aos filhos dos homens.
    17 Os mortos não louvam ao SENHOR, nem os que descem ao silêncio.
    18 Mas nós bendiremos ao SENHOR, desde agora e para sempre. Louvai ao SENHOR.

    ResponderEliminar
  11. O Pecado da Idolatria:

    Idolatria é trocar Deus por outra coisa ou pessoa, é adorar a um falso deus...

    Todas as pessoas de todas as religiões devem ser respeitadas, amadas e devem ter o direito de expressar suas crenças e opiniões. No entanto, não é em nome do amor que vamos deixar de dizer a verdade. Isto seria uma contradição. A Bíblia fala do amor de Deus a toda a humanidade, independente de suas religiões (João 3.16). Contudo, ela fala também contra o pecado e contra as doutrinas erradas, mostrando que o caminho do erro leva ao inferno (Gálatas 5.19-21 e Apocalipse 22.15). Logo, devemos amar e também mostrar o erro. Devemos mostrá-lo polidamente, como é próprio do amor. No Velho Testamento, por exemplo, Deus fala contra aqueles que adoravam imagens de escultura e proibiu o seu próprio povo de fazê-las com o objetivo de se prostrarem diante delas (Êxodo 20:1-5; Isaías 40.18-20; Isaías 44.9-20; Isaías 45.20). Deus condenou também a invocação aos mortos
    (Deuteronômio 18.9-14). O pecado da idolatria é um dos mais combatidos pelos profetas da Velha Aliança. Enquanto que os outros pecados, em geral, são ofensas contra Deus, a idolatria configura-se como abandono ao verdadeiro Deus. Pensemos, por exemplo, em uma vida conjugal. Marido e mulher podem, eventualmente, se ofenderem e se magoarem e tudo pode ser resolvido na maioria das vezes. O adultério, porém, é uma ofensa totalmente distinta das outras, porque vai contra o vínculo matrimonial e afronta seus compromissos basilares. Logo, na vida conjugal, o adultério é o mais grave pecado. A Bíblia compara a idolatria com o adultério. O povo de Deus é muitas vezes mencionado como "esposa" do Senhor. Essa expressão foi usada no Velho Testamento em relação à nação de Israel, e, no Novo Testamento, referindo-se à igreja. Quando o povo de Deus vai atrás de outros deuses, isto é considerado uma traição, ou um tipo de adultério espiritual. (Ezequiel 16; Ezequiel 23; Oséias 1.2; Oséias 3.1; Jeremias 3; Tiago 4.4-5).

    Esta pratica são alguns dos grandes erros doutrinários de vários segmentos religiosos. Sabemos que muitos dos santos adorados hoje foram, de fato, pessoas santas, servos de Deus, dignos de serem imitados. Porém, morreram, e não ressuscitaram. Quando alguém lhes dirige uma oração, está fazendo uma invocação aos mortos, o que Deus proibiu e condenou. Tais fiéis, pessoas sinceras e bem intencionadas, deveriam estar fazendo seus pedidos a Deus (Pai, Filho e Espírito Santo). Jesus mesmo nos ensinou a orar direto ao "Pai nosso". Dizem que os santos intercedem pelos vivos. Mas, o que diz a Bíblia? Jesus é o único mediador entre Deus e os homens, conforme está escrito na primeira epístola de Paulo a Timóteo (2.5). Isto, porque Jesus foi o único que morreu na cruz para nos salvar do inferno, tomando sobre si o castigo pelos nossos pecados. Jesus e o Espírito Santo são os únicos que intercedem por nós diretamente diante do Pai (Isaías 53.12 e Romanos 8.26). É verdade que as pessoas vivas intercedem umas pelas outras, mas os mortos não intercedem por ninguém. Está escrito que os mortos não tem parte alguma no que sucede debaixo do sol (Eclesiastes 9.5-6). Eles não participam, não vêem, não ouvem orações, não intercedem, nem interferem.

    Logo, vemos a invocação aos santos como idolatria e politeísmo. O apóstolo Paulo, quando estava vivo, não admitiu que ninguém o adorasse nem se prostrasse diante dele (Atos 14.11-15). Se hoje ele pudesse falar a todos quantos o invocam e veneram como santo, talvez ele repetisse suas palavras do texto de Atos: "Por quê fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós!"

    ResponderEliminar
  12. Rui,

    Aconselho-o a ler o dois livros, um muito difícil de encontrar se não impossível, que é o Fátima desmascarada, e o Na cova dos leões.

    Fátima, foi a maior mentira do seculo XX...

    Respeito quem acredita, mas penso que se deviam valorizar e não andar a sustentar mentiras qe para nada serviram, a não ser par aencher os cofres da Santa Igreja com milhoes e milhoes de euros todos os anos...

    Paz, Bem e Harmonia

    Cristiano Costa

    ResponderEliminar
  13. Cristiano,

    Conheço o objectivo dos dois livros e seu conteúdo antiteológico que na verdade pouco me interessam sobre a questão de Fátima que perdurará sempre para além de qualquer leitura que se queira fazer sobre o assunto.

    Pessoalmente creio no que aconteceu naquela região do país em 1917 mas não do mesmo modo que a Igreja Católica, pois minha visão das Aparições é outra e também do chamado "Milagre do Sol" em Outubro do mesmo ano, coisa que os autores desses dois livros (João Ilhargo e Tomás da Fonseca) não estão à altura de perceber.

    Aconselho-te sim a leres algo sobre o fenómeno Fátima da escritora Fina d'Armada, estudiosa do assunto, que consultou registos e documentos da época onde se faz uma descrição do sucedido em Outubro de 1917 perante a visão de milhares de pessoas que viram um disco-brilhante em rodopio que as pessoas confundiram com o sol, sendo sim aquilo que hoje chamamos de OVNI.

    Efectivamente houve ali uma manifestação extraterrestre que a Igreja da época interpretou à sua maneira e até hoje mantém uma tese que naturalmente não é a minha.

    De qualquer forma, sabe bem estar no Santuário de Fátima, pois é um lugar de Paz e Serenidade onde costumo ir várias vezes sem qualquer preconceito anti-religioso.

    Abraço

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  14. O Rui, como sabe, eu não sou anti teológico, muito pelo contrario.

    Quanto a esse suposto "Milagre do Sol", só peca por defeito, quando ao se perguntar aos presentes o que virão, metade diz que viu algo, como o "sol rodopiar", mas outra metade diz que nada viu (e repare-se todos crentes)...

    É estranho, ma a psicologia tb comprovou já de que estes fenomenos são "contagiosos", ou seja quando uma pessoa tem fé "a mais" e ouve um relato permonorizado de alguma coisa pela que se interesse, o seu cerebro (mente) cria uma ilusão e fantasia muito real.

    Não tenho nada contra a suposta aparição de Fatima, mas que não passou de uma grande invenção (para mim é claro), lá isso foi.

    Para não falar das barbaridades proferidas pela miuda (Lucia) dos segredos que a senhora vestida de branco, lhe contou, supostamente como o segredo do Inferno.

    Sabe o que chamo a isso? Pura lavagem cerebral a massas, e hoje vemos o maravilhoso resultado (Milhões e milhões de euros a entrar nos cofres da psico designada SANTA igreja catolica apostolica romana.

    Nada mais a acrescentar, apenas um pequeno desabafo que me vai no interior da alma.

    Paz, Bem e Harmonia...

    Cristiano Costa

    ResponderEliminar
  15. Não creio que o sucedido em Fátima tenha sido uma 'invenção' na cabeça de 3 crianças, caro Cristiano, mas sim algo que a Igreja da época não acreditou nelas mas depois acabou por aproveitar o fenómeno tirando partido disso até hoje. Não sei se já lês-te minha página "Fátima e Seus Segredos" no meu site pessoal, pois nela exprimo aquilo que penso sobre o assunto.

    O link é este para quem quiser: http://www.novaera-alvorecer.net/fatima_seus_segredos.htm

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  16. Rui, gostei de ler o que diz a respeito na sua pagina pessoal, mas ficou uma duvida.

    Afinal o que é que o Rui acha da mensagem do significado da visao do Inferno?

    Acredita que o Deus de amor irá punir eternamente quem nele não acredita? Ou quem pratica o mal (por uns miseráveis 80 anos? Segundo a esperança media de vida).

    Diga-me, o que acha a respeito?

    Luz...

    Cristiano Costa

    ResponderEliminar
  17. No meu entendimento, Cristiano, o céu ou o inferno são estados da alma humana que a projectam para mundos superiores ou inferiores conforme o grau alcançado aqui na Terra ao longo das vida sucessivas.

    Por outro lado, não tenho de Deus a ideia de um Ser monstruoso e vingativo que se vale de seu Poder para condenar ao martírio eterno toda a gente que não acredita nele. O conceito que tenho de Deus é mais elevado do que isso. Até porque Ele não é mesquinho nem se sente ofendido com o não reconhecimento dos homens e sim estes acabam sentindo que estão agindo mal e se vão corrigindo pela pedagogia do sofrimento ao longo do tempo.

    Quanto à Mensagem que Lúcia tinha por missão transmitir ao mundo, recebida ao longo de 6 meses, ela acabou por ser impedida de o fazer pela própria Igreja de Roma que se sobrepôs à vontade da Entidade Divina que escolheu aqueles infantes e não nenhum clérigo católico ou outro.

    Resta saber até que ponto a Igreja terá de prestar contas por isso...

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails