quinta-feira, 26 de junho de 2008

SUBSIDIO POR MATAR UM FILHO?


Mais uma lei escandalosa foi aprovada pelo governo do meu país onde se atribui agora um “subsídio de maternidade” (ou de alarvidade) às mulheres desempregadas, ou com dificuldades económicas, que abortem voluntariamente, passando a receber 150 a 300 euros por matar o feto ou embrião de um ser humano na sua barriga. A lei entra já em vigor no próximo mês Agosto, com efeitos ‘rectroactivos’ a Abril.

Isto é mais um incentivo ao crime autorizado que será recompensado desta maneira com este ‘subsídio’ atribuido a qualquer jovem ou mulher desempregada que decida engravidar voluntariamente e depois aborta livremente só para arranjar algum dinheiro... É o que se pode depreender! Aliás, nem precisa invocar as razões da sua decisão.

É chocante, de facto. Nem sei porque é que o governo (dito da “maioria”) decide agora fazer uma coisa destas, a todos os títulos censurável e condenável, que já causou muita celeuma num programa de rádio nacional (o RCP) onde o tema em debate era este e todos os ouvintes (homens e mulheres) que ligaram a dar a sua opinião sobre o assunto, foram unânimes contra este tipo de “benesse” atribuida a quem engravida voluntariamente, e depois comete um aborto para receber um subsídio facilmente...

Esta é mais uma lei da chamada "Democracia" em Portugal que está em crise sim, e esta não é só de ordem económica e social, mas sobretudo moral e espiritual.

Já não bastava a ‘despenalização’ do aborto ou a criação da “pena de morte” de fetos e embriões no meu país e agora se dá um prémio a quem mata um filho (sim um ser que se gera no ventre de mulher) livremente.

Fica aqui mais esta questão para que cada um tire a sua própria ilação.

Pausa para reflexão!

Rui Palmela

13 comentários:

  1. Não concordo de modo nenhum com esta nova lei que atribui um "subsídio de maternidade" (eu chamaria outra coisa) a quem engravida voluntariamente e decide depois abortar livremente e recebe como se fosse mãe, quando na verdade está sendo premiada por um acto criminoso por ter despachado o feto ou embrião para o esgoto do hospital. Certo?

    No meu entender isto vai incentivar mais gravidezes temporárias e aumentar os abortos voluntários em muitas mulheres ou jovens que querem receber esse dinheiro.

    ResponderEliminar
  2. Enfim... assim vão os tempos nestes tempos modernos e descontrolados... estes pensamentos hodiernos, serão consequências das profetizadas radiações apocalípticas...? Serão frutos vitaminados pelos capciosos Morangos com Açúcar...? Ou será o resultado natural, provocado pela dilatação do buraco no ozono...?

    Sinceramente há inteligências que a minha mentalidade não tem arcaboiço para as compreender ou perceber...!

    Por muito que reflicta... uma vergonha!

    ResponderEliminar
  3. Rui Palmela27 junho, 2008

    Olá, amigo António Prates!

    Começo por agradecer seu comentário e participação neste Blog.

    Na verdade tenho muita dificuldade de perceber também o que se passa na cabeça dos governantes deste país que deviam começar a resolver sim os principais problemas da Nação que decerto são bem mais graves e urgentes do que fazer uma lei para atribuição de um "subsídio" ou prémio a uma mulher que aborta voluntariamente e recebe dinheiro como se tivesse gerado o filho (feto ou embrião, chamem o que quiserem) que ela mata livremente.

    Por causa deste assunto, e por exprimir à minha maneira o que penso, fui hoje convidado a sair de um certo grupo do MSN onde colaborava com meus artigos há algum tempo, apenas porque alguém não gostou do modo como dei minha opinião e tivemos um confronto dialético (sem ofensas pessoais claro) mas o gerente tomou partido a lado da pessoa e me convidou a sair.

    Claro que isto é um assunto polémico que pode causar mal-estar a muita gente e ferir muitas susceptibilidades, mas é preciso abordá-lo abertamente e dizer também algumas verdades. Foi isso que fiz e pelos vistos não foram bem aceites. Ainda por cima o gerente desse grupo me classificou de saudosista ou salazarista por eu exprimir ao meu modo os meus próprios pontos de vista...

    Enfim, nem Jesus Cristo agradou a toda a gente, quanto mais eu que sou um simples cidadão que faz o melhor por um mundo no qual acredito e que de certeza não vai continuar deste modo nem com esta forma de Civilização.

    Fico por aqui,

    Pausa para reflexão!

    Um abraço

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  4. Respeito todas as opiniões. Sou pela liberdade que amo e pela qual sempre lutei.
    Sou Mulher...e em tempo de liberdade. Por isso, em verdade, em verdade vos digo, se alguma vez eu tivesse engravidado e não quisesse mesmo ter a criança, eu jamais teria esse filho. Clandestinamente ou não eu abortaria, sim. Preferia pôr a minha vida em risco, se preciso fosse, mas ter uma criança não desejada ou para depois a abandonar, isso eu não faria nunca...
    Vivo em liberdade e tenho o direito de dispor do meu corpo. Esse argumento de que "é um ser vivo que mato" é muito primário e já não tem consistência. Eu acho cinico por demais algumas vozes que se erguem contra; porque, vivemos num tipo de sociedade em que as crianças e os idosos são os mais abandonados, ignorados e até profundamente maltratados
    Eu, por amor, precisamente por amor, jamais colocaria nesta sociedade uma criança sabendo que, a partida nao lhe poderia dar, tudo o que ela necessitaria, também por direito... Há o Direito Internacional da Criança... a nossa sociedade respeita? Ou prefere entregá-las à pedófilia ou áqueles internatos miseráveis? E quanto a adopção, funciona no nosso país, por exemplo? Em termos de subsidio, quanto me daria o estado portugues para que eu revertesse a minha vontade? Que apoio me dariam? Ou viveria apenas da caridadezinha daqueles que tanto gostas de a afagar? Uma Mulher só decide fazer um aborno em desespero de causa. Nunca de ânimo leve.
    Procuremos primeiro, uma sociedade mais justa e, com amor às suas crianças Depois sim, as crianças abandonadas poderão encontrar no sistema uma forma de lhes minimizar esse trauma que certamente irão carregar até ao final das sauas vidas.

    Um abraço para todos

    OdeteNazário

    ResponderEliminar
  5. Respeito todas as opiniões. Sou pela liberdade que amo e pela qual sempre lutei.
    Sou Mulher...e em tempo de liberdade. Por isso, em verdade, em verdade vos digo, se alguma vez eu tivesse engravidado e não quisesse mesmo ter a criança, eu jamais teria esse filho. Clandestinamente ou não eu abortaria, sim. Preferia pôr a minha vida em risco, se preciso fosse, mas ter uma criança não desejada ou para depois a abandonar, isso eu não faria nunca...
    Vivo em liberdade e tenho o direito de dispor do meu corpo. Esse argumento de que "é um ser vivo que mato" é muito primário e já não tem consistência. Eu acho cinico por demais algumas vozes que se erguem contra; porque, vivemos num tipo de sociedade em que as crianças e os idosos são os mais abandonados, ignorados e até profundamente maltratados
    Eu, por amor, precisamente por amor, jamais colocaria nesta sociedade uma criança sabendo que, a partida nao lhe poderia dar, tudo o que ela necessitaria, também por direito... Há o Direito Internacional da Criança... a nossa sociedade respeita? Ou prefere entregá-las à pedófilia ou áqueles internatos miseráveis? E quanto a adopção, funciona no nosso país, por exemplo? Em termos de subsidio, quanto me daria o estado portugues para que eu revertesse a minha vontade? Que apoio me dariam? Ou viveria apenas da caridadezinha daqueles que tanto gostas de a afagar? Uma Mulher só decide fazer um aborno em desespero de causa. Nunca de ânimo leve.
    Procuremos primeiro, uma sociedade mais justa e, com amor às suas crianças Depois sim, as crianças abandonadas poderão encontrar no sistema uma forma de lhes minimizar esse trauma que certamente irão carregar até ao final das sauas vidas.

    Um abraço para todos

    OdeteNazário

    ResponderEliminar
  6. Rui Palmela27 junho, 2008

    Cara amiga Odete Nazário,

    Também sou pela LIBERDADE (não libertinagem) e por uma SOCIEDADE MAIS JUSTA E IGUAL PARA TODOS, onde não haja mais crianças a morrer de fome nem idosos maltratados ou abandonados.

    Penso que vc abordou várias questões no seu comentário que mereceriam uma discussão mais profunda e séria que não cabem neste assunto do "subsídio de maternidade" que continuo a dizer não deveria ser atribuido a quem não quer ter filhos e aborta livremente.

    Você diz que "Uma Mulher só decide fazer um aborto em desespero de causa. Nunca de ânimo leve". Sim, aceito essa afirmação e sei que a minha própria mãe fez alguns, como tantas outras mulheres o fizeram no passado, motivadas por razões relacionadas com dificuldades da vida, embora as familias mais pobres fossem sempre as mais numerosas e todos se criavam.

    A verdade, porém, é que hoje já não se aceita que se faça abortos a torto e a direito, pois existem meios anticoncepcionais de evitar uma gravidez indesejada e só engravida quem quer (a não ser por violação, claro), coisa que naquele tempo não havia. Por isso se recorria aos 'desmanchos' que tanta gente fez e que deixou suas marcas psicológicas e até de ordem espiritual. Entende isto?

    Por isso, acho cínico sim quem tenta justificar hoje um erro com outro erro falando em nome da 'Liberdade' sem se pensar nos tais Direitos de Nascer sem se interromper o processo da formação de um ser que se gera e um dia terá seu papel nesta Humanidade onde as almas evoluem num corpo físico para se integrarem um dia na Eternidade.

    Penso que é a falta de conhecimento destas e outras questões que faz tanta gente falar sem saber e emitir inúmeras opiniões.

    Respeito a sua, naturalmente, como vc respeitará a minha e o tempo dirá quem tem razão. Até lá...

    Pausa para reflexão!

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  7. oi...
    gostaria de um portugues com inquietações assim para dividir um blog comigo...
    tou na segunda tentativa mas não consigo acertar...
    sou um pouco mais irreverente, mas gostei muito do blog, coloquei em favoritos
    o meu
    se alguem se interessar...
    http://liberdadeabreasasasbrasilportugal.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. OlaQuerido Rui

    mais uma vergonha do nosso vergonhoso estado... ´uma afronta este subsidio, principalmente se levarmos em linha de conta, que mãaes adlescentes nao recebem subsidios porque nunca descontaram para a Segurança Social, logo o mal vem desta instituição!!!

    Não acredito que seja uma afronta para todas as mulheres praticarem o aborto... para algumas é o "pão nosso" e agora ainda por cima com lucros???

    masque raio de país é este e no que é que se está a tornar?

    Porque não então, porque cada aborto feito, um subsidio direccionad para uma criança carenciada e sua família? agora... para mães que querem andar a mandar kekas sem consequencias? é caso para se disser: vão levar na peida!!! assim já não têm que abortar!!!


    Beijo Grande Rui... passo-me mesmo com estas merdas! cambada de xones...
    Sofia

    ResponderEliminar
  9. Rui Palmela05 julho, 2008

    "é caso para se disser: vão levar na peida!!! assim já não têm que abortar!!!" (Sofia)

    Hehehe! Amiga Sofia, fizeste-me lembrar um certo Ministro francês que chegou a dizer para as adolescentes do seu país praticarem sexo oral para não engravidarem também...

    Minha nossa (como dizem os brasileiros) isto está mesmo a chegar a um ponto em que a moral e bons costumes são letra morta nos dias que correm e os governos pagarão caro por isso.

    Um grande abraço.

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  10. Rui Santos07 julho, 2008

    Pois, a lei do aborto.
    Perdoem-me os partidários do SIM, mas eu não. A vida humana não deveria ser questionável em nenhuma circunstância, muito menos posta a referendo servindo os ditamos de utilitarismos, individualismos e factores ditos de sucesso que a actual sociedade coloca como padrão. Segue um video esclarecedor. Rui Santos
    http://www.youtube.com/watch?v=8HYRdC6Sy1o

    ResponderEliminar
  11. os (des) governantes deste país a única coisa que realmente querem é encher as carteiras e irem passar ferias ao estrangeiro, quanto ao aborto, eu nem sequer me consigo pronunciar, nem sei tão pouco o que dizer, eu engravidei 3 vezes sem o desejar , tenho-as cá às 3 criei-as com tanto sacrifício, com muitas lágrimas a escorrerem-me pela cara abaixo enquanto me perguntava a mim onde e como iria arranjar pão para lhes meter na boca, mas elas as 3 estão cá, estão lindas, e agora uma delas me deu a maior dádiva que uma ou um filho pode dar a uma mãe, deu-me uma netinha linda maravilhosa que eu não me canso de olhar. contemplar e amar

    ResponderEliminar
  12. Rui Palmela06 agosto, 2008

    Amiga Haryhanne,

    Eu lhe saudo do meu coração, e digo que vc é o exemplo de mulher com letra grande que soube lutar e vencer a maior prova de sua vida que lhe dará hoje decerto muita alegria e felicidade tal como hoje sente ao olhar para sua filhas e receber delas o seu amor e gratidão.

    Bem haja, querida amiga, eu lhe abraço com muita afeição.

    Rui Palmela

    ResponderEliminar
  13. ...Dos politicos, e destes falsos socialistas e sociais democratas, nao se pode esperar nada de bom. Devo dizer que os comunistas nao são melhores !Sao os causadores dos maiores crimes sociais contra o povo portugues e contra a humanidade em geral. Sao materilistas cegos pelo poder e infelizmente de mente extremamente miope,e carentes de coração. O mundo governado por estes satânicos é o que vemos.
    A fome, o crime e a morte relacionam-se quase sempre com os actos politicos. Por isso eu considero os politicos os maiores criminosos da historia, que á sombra das leis que aprovam continuam a matar e a disseminar as multiplas e horriveis formas de mal que todos conhecemos.Enquanto morrem pançudos e agarrados ao vil metal milhoes morrem ao pé de suas portas que eles nao se importam nada !
    Que esta praga seja removida urgentemente sobre a terra é uma de minhas grandes esperanças

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails